O que não fazer em Nova York? 20 dicas úteis

Muitos conteúdos do blog oferecem dicas sobre o que fazer em Nova York, como atrações, restaurantes e passeios no geral, porém, hoje resolvi trazer exatamente o oposto para vocês: coisas para NÃO fazer em Nova York!

É importante ter em mente sobre o que não fazer, pois existem coisas proibidas, passeios que não valem tanto a pena e outras ações que podem até mesmo causar um transtorno durante sua viagem. 

Para evitar qualquer tipo de problema, confira abaixo todas as 20 dicas da lista!

Lembrando que essa lista foi feita com base em experiências e opiniões de leitores, portanto, vale a pena conferir com atenção e selecionar o que você realmente achar relevante para a sua viagem. 

Boa leitura!

Antes que eu me esqueça, você pode acompanhar mais daqui de Nova York pelo meu Instagram, que é @marthasachser e meu Youtube. E se você tem viagem marcada para Nova York, não deixe de entrar no grupo de dicas de NY do blog no Facebook AQUI! E se desejar, temos o grupo de dicas de Nova York no Telegram e WhatsApp (temos dois grupos, um está cheio e esse é o segundo)! E para comprar meu guia de Nova York com roteiro pronto e economizar ainda mais tempo e dinheiro, clique AQUI!


1. Alugar um carro

Alugar um carro para passear em Nova York não é uma boa ideia. Além dos custos serem extremamente altos (uma diária de um carro econômico em NYC é quase o equivalente a três diárias de uma SUV em outra cidade), a Big Apple é conhecida por ter o trânsito bem intenso. Dificilmente você vai achar lugar para parar ou que seja barato além de que o transporte público funciona 24×7 e é extremamente útil.

De metrô e ônibus é possível ir a praticamente todos os cantos da cidade. Além disso, se você estiver cansado de caminhar e dispor de alguns dólares a mais, pode pegar um táxi/uber para andar curtas ou médias distâncias.


2. Andar de Carruagem no Central Park

Esse tipo de passeio não é nada “pet friendly”. Por mais que possam existir cocheiros que tratam bem seus animais, é inconcebível que em pleno século XXI ainda possa existir quem goste de ver animais puxando carruagens sob sol quente ou dias frios apenas para entretenimento.

Além disso, ao passear pelo parque a pé, você não corre o risco de perder nenhum ponto importante e ainda fica livre para fazer pausas e tirar fotos onde quiser. 

Confira aqui os melhores lugares para visitar no Central Park.


3. Subir na coroa da Estátua da Liberdade

Somente suba na coroa da Estátua se esse for realmente o seu sonho. Não pense que visitar ou avistar a Estátua da Liberdade não vale a pena, pelo contrário, é parte indispensável do roteiro de quase todo mundo que visita Nova York pela primeira vez, porém, subir na coroa é algo totalmente diferente.

Além de ser um passeio de valor à parte, você precisa reservar com uma boa antecedência (existe um número máximo de pessoas que podem subir por dia) e é claro, não ter medo de altura. 

Para subir, você deve passar por uma escada suspensa em espiral e esperar sua hora, pois só permitem uma pessoa por vez.

Chegando lá, não espere tirar milhares de selfies e fotos da paisagem, pois além do local ser muito apertado, os seguranças mandam as pessoas circularem em um rodízio.

Portanto, pense várias vezes antes de se aventurar na coroa, e só vá se realmente quiser muito e tiver disposição. 


4. Esquecer de ir ao banheiro

Nova York é um pouco diferente do restante do país no quesito acesso a banheiros. Existem pouquíssimos banheiros públicos na cidade e se você estiver longe do hotel, na hora do aperto, pode acabar apelando para um Starbucks e rezar para que os banheiros desses locais estejam limpos, o que nem sempre é o caso. 

Por isso, sempre que visitar um local privado, como um restaurante tradicional, um museu ou qualquer lugar que tenha um banheiro limpinho, aproveite a oportunidade! Nesse post AQUI eu compartilhei alguns dos melhores banheiros de acesso público de Nova York!


5. Passear somente em Manhattan

Essa vai direto para quem leu (ou não leu) meu guia de Nova York e nossa postagem sobre os cinco bairros de Nova York. Apesar de Manhattan reunir as atrações mais famosas da cidade, Brooklyn, Queens, Staten Island e o Bronx também possuem atrações turísticas muito interessantes para você explorar. 

Em nossa matéria, falamos um pouco da história de todos os Distritos (boroughs) e colocamos uma listinha dos principais pontos de interesse de cada um deles. 

Não deixe de conferir, e não seja tímido, pois a cidade é enorme e cheia de atrações bacanas para todos os gostos. Vale a pena conferir o máximo possível durante sua viagem! 


6. Bloquear as passagens

Se você está no Brasil e mora em uma grande metrópole, provavelmente já deve tomar esse cuidado nas calçadas, passarelas, escadas rolantes e metrô.

Porém, se você vem de uma cidade com um ritmo mais calmo, pode acabar se distraindo e bloqueando a passagem de quem está com pressa para passar.

Nova York é conhecida por ser a cidade que nunca dorme, afinal, possui um ritmo frenético. Por isso, se você estiver andando em uma calçada, por exemplo, e resolver parar de repente para tirar uma foto, pode acabar sendo “atropelado” por quem vem atrás em regiões movimentadas. Além de ficar mal visto, pode até receber algumas reclamações.

São nas escadas rolantes do metrô que essa situação acaba sendo mais visível então se lembre: se não está com pressa, mantenha-se a direita. E deixe o lado esquerdo para as pessoas que querem subir mais rápido.


7. Não levar cartão de crédito

Não é novidade para ninguém que os cartões de crédito aplicam cotação e taxas razoavelmente acima das oferecidas pelas casas de câmbio, porém, andar somente com dinheiro pode não ser uma boa ideia.

Em NYC alguns estabelecimentos aceitam apenas cartão, o que não é legal, mas ainda sim tem essa prática em alguns poucos lugares. Então ter um cartão disponível é importante nessa caso.

Muitas vezes em farmácias por exemplo você pode ter mais praticidade e economizar tempo quando apenas máquinas de self-check out que aceitam cartão estão disponíveis. E se seu cartão oferece a opção de pagamento com contato, você pode usá-lo para comprar seu bilhete de metrô na catraca ao invés de usar as máquinas que apesar de aceitarem dinheiro, tem um limite máximo de U$9 por troco e dependendo da estação pode ter uma fila. Claro, se seu cartão não cobra tarifa internacional, é ideal.

Além disso, você ainda corre o risco de perder o dinheiro, esquecer ou ter gastos a mais do que planejou. Nada melhor que ter um cartão de crédito à sua disposição para qualquer emergência. Uma boa opção é cadastrá-lo no Wallet (carteira digital) do seu celular, para maior agilidade.  


8. Esquecer de dar gorjetas (tips) 

Não só em Nova York, mas como no resto dos EUA, as gorjetas (ou “tips”) para todos os tipos de serviços, além de ser parte da cultura, fazem parte do salário dos trabalhadores locais.

Por isso, fique atento ao carregador de malas do hotel, ao garçom do restaurante, às governantas e arrumadeiras, dentre outros profissionais que te atenderem durante a viagem. Se você for bem atendido, não deixe de contribuir com a “tip”, que apesar de não obrigatória, é sim muito esperada.

Se você tem o costume de pedir para retirar a famosa taxa de serviço na hora de pagar a conta em um restaurante, por exemplo, recomendamos não fazer isso nos EUA, principalmente se você for bem atendido. A gorjeta é muito levada a sério. O valor mínimo esperado para garçons por exemplo é de 18%. E para profissionais no salão de beleza é de 20%. Pesquise antes! No meu guia de Nova York eu inclui os valores para os principais serviços que você encontrará em NY e os valores de cada um. Clique AQUI para baixar meu guia de Nova York!


9. Beber na rua ou carregar bebidas alcoólicas de forma aparente

Você já deve ter visto em vários filmes que se passam em NY pessoas carregando bebidas em sacos de papel. Isso não é por acaso.

Em Nova York é proibido o consumo e o carregamento de forma aparente de bebidas alcoólicas. Se você quiser comprar uma bebida para levar para o hotel, certifique-se de que as garrafas estejam embrulhadas em papel ou em uma bolsa que não seja transparente, e não consuma-as em local público. Durante a pandemia ficou um pouco mais flexibilizada essa lei, mas não conte com isso.


Faça um ensaio fotográfico em Nova York!

A melhor recordação das minhas viagens são ensaios fotográficos e Nova York é um charme a parte e merece ser registrada em um lindo ensaio fotográfico! Para reservar o seu recomendo o site do Fotos Na Mala, além dos melhores preços e pacotes e de toda uma segurança por trás e suporte ao cliente, tem também descontos especiais em vários destinos pelo mundo! O site é incrível, feito com muito carinho e leitores do blog tem U$10 de desconto nos ensaios em Nova York com o código NYANDABOUT10. Para reservar seu ensaio e conhecer mais o site, clique AQUI!

10. Fumar em áreas públicas e restaurantes

Muitos de nós já estamos acostumados com a proibição de cigarros em restaurantes, bares, lanchonetes, escritórios e locais fechados em geral no Brasil. Porém, aqui em NY a restrição vai um pouco mais além, se aplicando para parques, praças, áreas públicas, transportes públicos, praias e piscinas. Essa regra também inclui “vapes” e cigarros eletrônicos.

Se você costuma fumar todos os dias, saiba que a prática é permitida nas ruas, casas e carros privados. Em alguns hotéis também é possível fumar em quartos específicos, mas confirme antes, para evitar qualquer tipo de constrangimento ou até mesmo multa (sim, podem aplicar). 

Lembramos que em Nova York você só pode comprar tabaco ou cigarros se for maior de 21 anos de idade. 


11. Tirar fotos com flash em museus ou igrejas

Uma coisa que você não pode fazer na maioria das vezes em Nova York é usar o flash em museus, igrejas e locais de exposição de obras. Claro, você pode perguntar antes se é permitido mas por via das dúvidas vá pensando que não é.

Muitos não imaginam, mas os raios ultravioleta e a forte intensidade da luz do flash podem causar oxidação e outros danos às obras de arte. Por isso, lembre-se de desligar o flash antes mesmo de entrar no local.

A maioria dos celulares e câmeras modernas têm a opção de modo noturno, que permite que os momentos sejam registrados em ambientes de pouca luminosidade, sem a necessidade do flash. 


12. Reserva e check-in para menores de 21 anos

Essa não é uma proibição geral, mas diversos hotéis de Nova York não aceitam reservas e check-in de pessoas menores de 21 anos. Geralmente exigem que estejam com um acompanhante maior de idade.

Se você é menor de 21 e sonha em viajar para Nova York, é essencial confirmar as políticas do hotel escolhido antes de fazer sua reserva. Você não quer viajar para ter uma surpresa desagradável, não é mesmo? Fique de olho nisso. 


13. Tirar fotos com mascotes da Times Square

Essa é uma dica clássica. Mesmo se você curtir fotos engraçadas com personagens, as fotos com eles na Times Square são quase armadilhas para te deixar com vários dólares a menos no bolso.

Se você, por exemplo, encontrar um Mickey e resolver tirar uma foto, terá que pagar uma gorjeta, que pode chegar até $3. Mas o problema não para por aí! Sem você perceber, outros mascotes vão se aproximar de você e para CADA UM você terá que dar a gorjeta…e o pior está por vir:

Caso vejam que você está com dinheiro, com certeza vão insistir de forma bem constrangedora. Não caia nessa! Deixe para tirar fotos nas atrações ou seja bem claro que não tem interesse em mais de um personagem ou algo assim. Agora essa profissão ficou mais regulada e eles tem que seguir algumas regras mas é bom se prevenir e não cair se não desejar, pois esse é o trabalho deles e se você usar, precisa pagar.

Confira aqui mais alguns golpes famosos da Times Square.


14. Dar atenção aos rappers da Times Square

Se você achou os mascotes um problema, saiba que os rappers da Times Square podem ser bem piores que eles. 

Esses rappers costumam abordar os turistas de forma repentina para oferecer (quase que enfiando na sua mão) um CD de música. Se você aceitar, vão autografar o disco e no momento que você tentar devolver, vai ser tarde já, eles costumam estar e grupos então tentam te convencer a levar.

Ou seja, nem adianta dar uma gorjeta qualquer como é o caso dos mascotes, o valor dos CDs é fixo, eles podem até dar um desconto, claro. Algumas pessoas disseram que os CDs não tinham música e outros que até curtiram. Então vai de você, claro!

Se não tiver interesse e algum deles te abordar na rua, finja que não é com você ou finja que não fala inglês e saia de fininho.


15. Comprar ingressos da Estátua da Liberdade com golpistas

Esse é um dos golpes mais comuns e perigosos de Nova York, por isso, fique esperto para não cair nele. Nas proximidades do Battery Park, você poderá avistar alguns cambistas de colete vermelho escrito LIBERTY CRUISES. Fuja deles! 

Após uma abordagem, eles falam que os ingressos na bilheteria esgotaram, e que agora, só será possível comprar nas mãos deles.

A dica é, se você ver qualquer um oferecendo ingressos nas proximidades, não compre de jeito nenhum. 

Para não ter problemas, adquira seu ingresso para a Estátua da Liberdade através do link afiliado do blog, que é totalmente seguro e confiável e economiza tempo ou compre no local (chegue bem cedo para evitar filas).


16. Aceitar ajuda de estranhos para comprar o Metrocard

Você já deve ter ouvido várias vezes para não aceitar ajuda de estranhos nos caixas eletrônicos de qualquer lugar do mundo. O mesmo serve para o Metrocard em Nova York.

Pessoas estranhas costumam ficar ao lado das máquinas de venda dos bilhetes para te dar uma falsa ajuda na hora de comprar o Metrocard. 

Após a compra, o bilhete sai na parte inferior da máquina e esses golpistas agem de forma muito rápida, trocando o bilhete válido por um já vencido. Se o Metrocard for semanal, você terá ainda mais prejuízo. 

Ou eles podem cobrar pela ajuda, um valor qualquer, mas que você não esperava ter que pagar por uma gentileza.

Portanto, se você tiver dúvidas quanto a operar a máquina do Metrocard, procure um guichê ou um funcionário devidamente uniformizado.


17. Usar transporte clandestino no aeroporto

Ao planejar sua viagem, não deixe para trás uma parte muito importante, o traslado aeroporto-hotel-aeroporto!

Os aeroportos da cidade são acessíveis de ônibus, metrô, táxi, Uber e transporte privativo, por isso recomendo planejar seu trajeto com certa antecedência. 

Não deixe para pedir um transporte só na hora que chegar no saguão do aeroporto, pois você com certeza vai se deparar com motoristas segurando as plaquinhas estilo UBER e TÁXI, sendo que na verdade não são licenciados. Isso também acontece bastante nas rodoviárias do Brasil. Fique de olho.  

Eu recomendo entrar em contato com o motorista brasileiro Alex Caetano pelo WhatsApp +1 (917) 656-7299. Ele faz transfers para aeroporto/hotel e tour guiados para grupos fechados ou compartilhados saindo de Manhattan, com a opção de buscar e levar no hotel.

Além da falta de segurança, o barato pode sair caro, principalmente em casos de acidentes. 

Na pior das hipóteses, se precisar chamar um UBER ou Lyft, peça sempre pelo aplicativo, é seguro e os valores são geralmente bem okay.


18. Ignorar os museus menores

É óbvio que o Museu de Arte Moderna (MoMA) e o Museu Metropolitano de Arte (MET) são paradas obrigatórias para quem visita a cidade, mas não são os únicos disponíveis!

Se você é um historiador nas horas vagas e quer adquirir mais conhecimento, não pode deixar de fora os museus menores da cidade, pois eles vão te surpreender!

O Museu da Cidade de Nova York é um que até muitos moradores locais não conhecem e vale muito a pena! Aliás, foi nele que cenas da escola em Gossip Girl foram gravadas. O Museu da Imagem em Movimento, por exemplo, é super interessante e dinâmico. Já o Museu do Brooklyn, surpreende com mais de 1 milhão de peças em sua coleção. O Intrepid Sea, Air & Space Museum, é excelente para quem se interessa pela história militar dos EUA e uma diversão para as crianças, assim como os museus infantis, do trânsito e dos bombeiros. E por aí vai… 

Não deixe de adicionar pelo menos alguns deles em seu roteiro! Falei dos meus favoritos no meu guia de Nova York

também.

19. Passear no High Line nos finais de semana

Já falamos sobre o High Line aqui no blog, afinal, trata-se de uma atração imperdível na cidade. Visite-o quando tiver chance, mas EVITE os finais de semana!

Por ser uma atração bastante popular também entre os locais e por não ser muito espaçoso, esse parque estará quase sempre lotado aos finais de semana, principalmente no verão. 

Se estiver de férias, recomendamos visitar durante a semana, enquanto a maioria dos residentes da cidade estão trabalhando.

Créditos: Shutterstock


20. Comer em redes de restaurantes que também existem no Brasil

Ai ai ai! Se você é um leitor assíduo do blog e ainda assim chegar na Times Square e pedir os palitinhos de queijo da Applebee ‘s ou um Big Mac, vai levar um puxão de orelha! Hahah. Brincadeiras a parte, não se esqueça de que a cidade é conhecida por sua enorme variedade gastronômica (que já falamos muitas vezes aqui no blog e muuuitas vezes mais no guia de Nova York que recomendo MUITO se estiver vindo pra Nova York pela primeira ou décima vez!) para todos os gostos e bolsos.

Por isso, se sua prioridade não é economizar, pedir algo que você comeria no shopping da sua cidade não deixa a viagem tão especial quanto merece!


Já sabe o que NÃO fazer em Nova York?

Espero que com essas dicas seu passeio em Nova York seja aproveitado ao máximo, sem surpresas ou transtornos desagradáveis! 

Lembrando que você pode encontrar mais dicas como essa no Guia NY&About, um guia super útil com roteiro pronto separado por região e tudo o que você precisa para aproveitar ao máximo a cidade. O guia foi desenvolvido por mim já está na sua terceira edição! 

Além de opções de restaurantes, atrações e passeios, você também encontrará informações essenciais, como:


  • Como usar o metrô em Nova York
  • Como ir e voltar de metrô para o aeroporto/cidade
  • Como chegar nos principais Outlets
  • Descontos exclusivos
  • Hotéis e Albergues acessíveis
  • Restaurantes sugeridos em cada região
  • Clima e estações do ano
  • Dúvidas comuns sobre Nova York
  • Calendário de datas e eventos
  • Mini guia com dicas, atrações e restaurantes para ir com crianças
  • Profissionais brasileiros
  • Lugares instagramáveis
  • Atrações gratuitas
  • Dicas extras e curiosidades sobre a cidade
  • Link para Google Maps com dicas e lugares do guia
  • O que fazer no inverno e no verão
  • Aplicativos úteis em Nova York


Gostou da ideia? Então não deixe de adquirir seu guia agora mesmo! Tenho certeza que ele será um excelente companheiro de viagem. 

Clique aqui para baixar o guia em formato e-book. 

Clique aqui para comprar a versão impressa pela Amazon.